In Memorian: Kentaro Miura (1966-2021) - Adeus (e obrigado) ao autor de Berserk!



Há pouco mais de uma semana, o mundo otaku acordou em choque. Faleceu Kentaro Miura, aos 54 anos, vítima de dissecção da aorta, o mangaká responsável por um dos maiores mangás seinen de todos os tempos, Berserk. Para quem não sabe, seinen é o gênero de mangá que corresponde demograficamente aos homens jovens adultos. E Berserk não apenas ajudou a consolidar o gênero seinen, mas também o próprio gênero “fantasia dark”. Na realidade, Miura faleceu em 6 de maio, mas sua morte só foi divulgada agora. Ao contrário dos artistas de quadrinhos ocidentais, há muita discrição no que toca aos autores de mangás. 



Berserk era um dos mangás seinen que estavam sendo publicados há mais tempo, desde 1989, na revista Young Animal. Entretanto, é bem conhecido o fato de que, ao longo dos anos, o mangá teve muitos hiatos, o que irritava bastante os fãs. Aos que não conhecem o enredo de Berserk, não é uma tarefa fácil descrevê-lo neste breve post, porque acontece muita coisa ao longo do mangá e a trama é bem complexa, envolvendo diversos personagens.


Basicamente, é a história de Gutts, um mercenário espadachim cuja existência é regida pelo signo da tragédia. Ele já nasce de sua mãe morta, enforcada em uma árvore. É adotado pela esposa do mercenário Gambino, mas, depois que ela morre, passa a ser odiado por seu pai adotivo. Gambino inclusive vende Gutts para outro mercenário pedófilo estuprá-lo quando criança. Gutts termina por matar Gambino e foge do bando de mercenários. E é só desgraça.




O ponto mais importante para o enredo do mangá é a saga do Bando do Falcão, quando Gutts, já como um mercenário adolescente, é derrotado por Griffith, o líder do bando, e obrigado a servi-lo. Tanta atenção de Grifith a Gutts causa inveja em Caska, a única mulher do bando, que nutria verdadeira adoração por seu líder. Griffith na minha opinião é o melhor vilão dos mangás, até mesmo porque ele é muito complexo e carismático. Associado a Gutts, é o melhor personagem do mangá.

No entanto, a bem da verdade, todos os personagens da Berserk são bem trabalhados e desenvolvidos, até mesmo os menos importantes. São personagens tridimensionais, com suas nuances. E a descrição do mundo medieval do mangá é bem complexa; as várias camadas da sociedade sendo contempladas pela narrativa. Vale dizer que Berserk é um mangá que não economiza na violência, no gore, no sexo, no estupro e em cenas chocantes. Não é indicado para leitores muito sensíveis. Há algumas sequências que são comparáveis aos quadrinhos mais pesadões da extinta Vertigo/DC. Kentaro Miura era inclusive chamado de “Alan Moore dos mangás”.

Também vale destaque a arte de Miura, que é belíssima e lindamente detalhada. E também é digno de louvor o trabalho de pesquisa de ambientação ambiental. Particularmente no tocante a habitações, castelos, roupas, armaduras e armas. É tudo bem verossímil. Sem esquecer a parte de fantasia e de monstros e demônios, que é bem abundante.


Enfim, não quero me alongar porque esse é um post breve. Também não vou entregar muito do enredo do mangá, pois acontece muita coisa. Só digo uma coisa: quem não leu, que leia. Por ocasião do falecimento de Miura, todo o mundo otaku está em luto, com exceção talvez de algumas feministas, que provavelmente devem estar comemorando, pois odiavam Miura e viviam problematizando a cena de estupro da Caska por Griffith/Fento, já adiantando um spoiler. No entanto, esse estupro, bem como tudo o que acontece no dia do Eclipse, é muito importante para a narrativa do mangá e é um ponto de virada da história.

Não faço ideia do que vão fazer com Berserk ou se algum dos assistentes de Miura deve terminar o mangá. Para a desgraça ficar completa, só falta morrer Eiichiro Oda de One Piece ou o George Martin dos livros de A Guerra dos Tronos. Para concluir, queria dizer adeus para Kentaro Miura, e muito obrigado por ter escrito um dos melhores mangás que já li. R.I.P.


Gostou deste post?
Então junte-se a nós! Siga nosso blog e faça parte de nosso grupo no Facebook. 
Junte-se a família "Memória Magazine", inteiramente dedicada a relembrar coisas boas e curiosas do passado. Ajudando alguns a reviverem boas lembranças e outros a conhecer a origem do que se vê hoje nos quadrinhos, nas animações e nos filmes.. 

Um comentário:

Imagens de tema por graphixel. Tecnologia do Blogger.