SCANS - Revistas TEX (Google Drive)


Tex Willer, personagem criado em 1948 por Gian Luigi Bonelli e Aurelio Gallepini, é publicado no Brasil de forma ininterrupta desde os anos 70. Tex é um fenômeno italiano que se estendeu para o mundo todo. Um dos personagens de westerns mais longevos da história dos quadrinhos, sua longevidade remete não somente à sua fama como também aos infinitos nomes que escreveram ou ilustraram as milhares de aventuras do ranger texano. Entre muitas revistas (Tex, Tex Coleção, Tex em Cores, Tex Ouro, Tex Edição Histórica, etc.) lançadas no Brasil.

Inspirado em Tom Mix (além de outras influências, como Gary Cooper), no início era um fora-da-lei. Tanto que cogitou-se dar-lhe o sobrenome de “Killer” (matador, em inglês). Felizmente, a boa índole acabou prevalecendo e Tex se tornou um respeitadíssimo (mas não menos temido) ranger do Texas e até se tornou chefe branco dos índios navajos, ao casar-se com a filha do chefe e, depois, sucedê-lo no comando da tribo. Seus principais parceiros (ou “pards”, termo criado por G.L. Bonelli) são Kit Carson, Kit Willer (o filho) e o navajo Jack Tigre.

A origem de Tex, no entanto, só foi revelada aos leitores mais tarde. Ele era filho de um rancheiro, Ken Willer, que se recusara a vender suas terras. Em conseqüência, a propriedade foi atacada por bandidos, resultando na morte do patriarca. Tex, é claro, não deixou barato e foi atrás dos velhacos, eliminando todos. Mas, para a Lei, ele se tornou um fugitivo e, durante suas andanças, arranjou emprego num rodeio de circo, onde ganhou seu cavalo Dinamite. Não podendo mais ficar no trabalho, aceitou a proposta de Kit Carson de se tornar um ranger, a serviço do governo dos Estados Unidos, percorrendo todo o território do Oeste em missões especiais.

Ao contrário de outros mocinhos pasteurizados de sua época, Tex bebia, fumava, tinha mau temperamento, espancava bandidos para obter informações, não era romântico, não cantava, não tocava violão, não bebia leite, não queria ser convidado para jantar na sua casa... Mas não dispensava um belo bife de três dedos de altura debaixo de uma montanha de crocantes batatas fritas, ornamentado por dois ovos fritos e regados por uma farta caneca de cerveja.

Essas características do novo personagem acabaram chamando a atenção dos leitores italianos, obrigando a editora Tea Bonelli (ex-esposa do criador do herói) a dar mais atenção àquele cowboy obscuro (Tex aparecia, até então, em uma revistinha secundária da empresa, em formato de talão de cheques). 

No Brasil, o herói estreiou em 25 de fevereiro de 1951 (três anos após seu nascimento na Itália), na revista "Júnior" nº 28, e foi chamado inicialmente de “Texas Kid”. A partir dos anos 70, já simplificado para “Tex” pela editora Vecchi, foi publicado ininterruptamente até hoje. 

O valente ranger também foi adaptado para outras mídias. Em 1956, Bonelli lançou o livro "Il massacro di Goldena" (mais tarde adaptado para as HQs como “Território Apache”). E no cinema, Giuliano Gemma foi o herói em "Tex e o Senhor do Abismo" (1985). 

Baixe agora, direto do Google Drive - formato PDF



PACK 02 (30 EDIÇÕES) 


Gostou da postagem?
Então junte-se a nós! Curta nosso blognossa página e nosso grupo
Junte-se a família "Memória Magazine", inteiramente dedicada a relembrar coisas boas e curiosas do passado. Ajudando alguns a reviverem boas lembranças e outros a conhecer a origem do que se ve hoje nos quadrinhos, nas animações e nos filmes..



3 comentários:

Imagens de tema por graphixel. Tecnologia do Blogger.