MEMÓRIA EM QUADRINHOS: Trilogia original do Morcego Humano



Não é incomum que um fã de determinado herói sonhe um dia em ser igual a ele. No entanto, nem sempre esse desejo pode ocorrer como se espera. A história de Kirk Langstrom, o Morcego-Humano, um dos mais trágicos “vilões” do Batman, ilustra bem isso.



Em sua primeira aparição, em Detective Comics no 400, na história O Desafio do Morcego Humano, de 1970, escrita por Frank Robins e desenhada por Neal Adams e Dick Giordano, Kirk Langstrom é um cientista do Museu de História Natural de Gotham City. Ele tem um segredo: está desenvolvendo um soro constituído à base de glândulas de morcego. Seu objetivo? Também se tornar um combatente do crime com o totem do morcego, a exemplo de seu herói, o Batman, mas com mais proximidade aos quirópteros. Vê-se que Langstrom não é mesmo um cara muito normal, uma vez que gosta de andar com uma capa à la Conde Drácula. Enquanto isso, uma quadrilha está dando muito trabalho para o Cavaleiro das Trevas, graças a óculos especiais que permitem enxergar no escuro.



Langstrom ingere o soro e já começa a sentir os efeitos. Seus ouvidos passam a escutar antes sons inaudíveis que o atormentam, e a luz forte passa a incomodá-lo. Com a ajuda de óculos especiais, ele passa a suportar a claridade e descobre que desenvolveu um radar ultrassônico, como os dos morcegos. Porém, a empolgação dá lugar ao desespero quando Langstrom percebe que sofreu uma mutação e está se transformando em um morcego humano.



Apesar de desesperado, Langstrom também está faminto, e corre para a cantina do museu, ao mesmo tempo em que a quadrilha do escuro está invadindo o local, atrás de joias valiosas e raras. Mal sabem eles que Batman também está em seu encalço e que dessa vez tem o auxílio de fones especiais que permitem escutar os batimentos cardíacos dos bandidos, muito semelhante a um certo Homem sem Medo da Marvel. Logo Langstrom também parte para a briga e ajuda o Cavaleiro das Trevas, ele até mesmo diz que esse era “seu sonho”. No entanto, quando Batman joga luz em seu rosto e se surpreende com o “disfarce” de Langstrom, ele responde que “antes fosse isso” e foge. Batman pergunta-se se conheceu um novo aliado ou um inimigo.




Na próxima história, Homem ou Morcego?, publicada em Detective Comics no 402, também escrita por Robins e ilustrada por Adams e Giordano, Langstrom está à espreita de ladrões de produtos farmacêuticos, pois um desses itens seria vital para a cura de sua mutação. Como esperado, Batman chega na hora e começa a dar uma surra nos bandidos, Langstrom meio contrariado o ajuda, mas, após darem conta do bando, ele corre para o cofre em busca do produto que precisava. Batman tenta impedi-lo, pois ambos tinham acabado de impedir um roubo, e nem Langstrom estando disposto a “pagar” pelo produto dissuade o herói. Ele então nocauteia Batman e foge com o medicamento.


Batman quando enfim desperta resolve ir ao museu onde Langstrom trabalhava, em busca de pistas sobre ele. Lá, encontra Francine, a noiva de Langstrom desesperada; apesar de ele ser esquisitão, era amado. Francine descobriu que Langstrom mentira para ela e estava desaparecido. Batman e Francine surpreendem o cientista justamente quando ele estava preste a tomar o soro que iria curá-lo. Ele derruba o frasco e foge pela janela. O Cavaleiro das Trevas diz a Francine que pode fabricar o composto que pode curar Langstrom na Batcaverna, mas mal sabe que ele, agora totalmente transformando no Morcego Humano, está em seu encalço. Langstrom desistirá de sua humanidade e tinha a intenção de fazer da Batcaverna seu novo lar. O Morcego Humano chega ao lugar, mas é surpreendido pelo Batman. Após um confronto, ele tenta escapar, mas o herói fecha a entrada da garagem da Batcaverna, e Langstrom choca-se contra ela e fica desacordado. O Cavaleiro das Trevas então tenta criar um novo soro, para que Langstrom ao menos morra como humano, se for realmente morrer.


A última história da primeira “trilogia do Morcego Humano” é Casamento: Impossível, publicada em Detective Comics no 407. A história inicia-se com Batman lendo no jornal a notícia a respeito do casamento de Langstrom com Francine, que ocorreria logo após uma exposição do Museu de História Natural; o Cavaleiro das Trevas dirige-se para o local, a tempo de impedir a cerimônia e desmascarar Langstrom, mostrando aos convidados a horrenda face do Morcego Humano.




Langstrom amaldiçoa Batman e foge, enquanto o herói tenta convencer Francine de que é uma insanidade casar-se com aquela criatura. É mostrado um flashback com o Morcego Humano desacordado na Batcaverna. Batman tenta aplicar o soro na criatura, mas ela desperta e agora não quer ser mais Langstrom, mas apenas o Morcego Humano. O Cavaleiro das Trevas parte atrás de Francine e pensa que prendeu mais uma vez a criatura na caverna, mas ela consegue escapar. Quando Batman volta à Batcaverna com Francine, o Morcego Humano não mais está lá.




Porém, quando Francine chega a seu apartamento, a criatura estava esperando por ela, de fora da janela. Francine diz que ama Langstrom até mesmo naquele estado, e ele engendra um plano e a faz provar seu amor. Entrementes, o Morcego Humano disfarça-se de Langstrom e assume sua função de cientista especialista em quirópteros. Enquanto Batman escuta a história de Francine, tenta mais uma vez dissuadi-la de casar com Langstrom, mas ela revela que tomou o soro também e agora é uma Morcego Humano fêmea! Segue-se um confronto de Batman com o casal na igreja, mas ele ao fim consegue aplicar o antídoto em ambos, e Langstrom e Francine voltam a ser humanos.

Óbvio que a DC, ao perceber o ótimo personagem que o Morcego Humano era, não deu por encerrada a tragédia de Langstrom. Ele voltou a se transformar na criatura e a enfrentar o Batman outras vezes. E não só isso; o status do Morcego Humano oscilou entre vilão e anti-herói. Ele chegou inclusive a ter um título próprio, escrito e desenhado por Steve Ditko, mas que só durou dois números, sendo um fracasso de vendas na época. A despeito disso, o Morcego Humano agora ocupava uma posição na mitologia do Cavaleiro das Trevas, sendo um dos poucos vilões com quem o herói se importa. Quase todo inimigo do Batman tem um elemento trágico em sua origem, mas alguns poucos têm sua empatia, caso do Morcego Humano, do Duas Caras e talvez do Sr. Frio.



G
ostou desta postagem???

Então junte-se a nós! Siga o nosso blog e junte-se a nós em nosso grupo no Facebook. 

Faça parte da família "Memória Magazine", inteiramente dedicada a relembrar coisas boas e curiosas do passado. Ajudando alguns a reviverem boas lembranças e outros a conhecer a origem do que se vê hoje nos quadrinhos, nas animações e nos filmes...

Talvez se interesse por estas outras postagens:



Nenhum comentário

Imagens de tema por graphixel. Tecnologia do Blogger.